segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Uma experiencia de Kairós...



Paulo utiliza uma expressão muito bonita na segunda Carta aos Corintios (6, 2): Vede, este é o tempo favorável, este é o dia da Salvação! Os corintios formavam uma comunidade fundada por Paulo, e nela caminhavam como discipulos de Jesus, aprofundando e partilhando a Palavra, celebrando a sua Fé, saindo na missão do Testemunho no mundo.
O tempo favorável (kairós, em grego do Novo Testamento) não é o tempo dos relógios (este é o cronos - cronologia); é o tempo que nasce da Ressurreição de Jesus, a Plenitude dos Tempos: Paulo convida os cristãos de Corinto a viver a sua Fé no Cristo Jesus porque a Salvação está a acontecer, o Reino está a emergir, e eles têm uma missão a realizar: testemunhar essa Salvação que Deus-Pai oferece a todos os homens!
O kairós é o tempo que a Igreja vive sempre, seja qual for o século ou a época histórica: a Igreja está sempre chamada a acolher, aprofundar e testemunhar a Boa-Nova da Salvação inaugurada há dois mil anos na Páscoa! Os discipulos de Jesus continuam hoje a precisar de caminhar e viver como tal: como discipulos de Jesus! Hoje, Outubro de 2007, como no tempo de Paulo, Deus continua a propor e a agir no interior da história humana a Salvação que vem em Cristo, a Economia da Salvação. Hoje, Outubro de 2007, como no tempo de Paulo, os cristãos são chamados a descobrir, aprofundar e testemunhar o Evangelho desta Salvação!
Pessoalmente, a partir da minha história pessoal de Fé e principalmente a partir dos testemunhos do Novo Testamento e da história da Igreja, parece-me que caminhar como cristão na Vida Teologal exige estas dimensões (não são as únicas, não são condição para a Salvação, mas fazem parte do kairós):
  • o aprofundamento da Fé, das razões da nossa esperança como diz a primeira Carta de Pedro: descobrir o Evangelho, a novidade de Jesus, o Rosto e o Projecto de Deus-Pai; o aprofundamento, mesmo intelectual, da nossa Fé, contribui para a nossa formação como pessoas, a nossa consciencia, e sermos cristãos deixa de ser uma questão de cumprir regras e normas, e para a ser um jeito de viver e amar, um sentido onde se enquadram as nossas opções, na Aliança com Jesus Ressuscitado;
  • a centralidade da Palavra de Deus, caminhar na Revelação que o Pai nos faz de si próprio e do seu Projecto Criador; e aqui entra a mediação fundamental das Escrituras, património do Povo Biblico, e o testemunho mais próximo da vida e Mensagem de Jesus pelos Evangelhos; é com estes que temos sempre de confrontar todas as mediações, importantes na nossa história, mas secundárias, sejam as tradições, os catecismos, as homilias, etc;
  • finalmente, o caminho comunitário; é em comunidade que acontece o caminho cristão mais fecundo, na partilha da Palavra e da Oração, na celebração da Fé e na Fraternidade, excelentes mediações do Espírito Santo; não comunidades fechadas em si, mas contexto gerador de testemunhos que sejam o sal e fermento no mundo.

Pela Comunidade Biblica de Terça-Feira,
que amanhã comece um caminho fecundo no Espirito e na Palavra,
e pelas Comunidades Biblicas de Quarta e Quinta-Feira,
onde já está a acontecer este caminho de kairós.
A todos um abraço e muito obrigado.









2 comentários:

Sete & Soraia disse...

hummm...
:) que bom :)

obrigado bom deus pela tua Palavra que escuto nestas palavras...
quero ser fiel nisto
...

Paulinha disse...

Oh Rui Pedro, gostava que soubesses como comungo contigo nesta tua partilha! O que eu cresci interiormente, desde que pertenço à comunidade bíblica! O “tempo” vai passando, mas sinto que, cada dia nasce, para eu ter a possibilidade de renascer! Tudo faz mais sentido quando começamos a compreender, em contexto comunitário, a mensagem de Jesus revelada pelos evangelistas e que hoje também chega a nós através das mediações do Espírito Santo … e depois, há pequenos sinais que nos vão revelando que por aqui é o caminho! Obrigada eu, por ti!