domingo, 28 de dezembro de 2008

Ele é a nossa Paz...

Percorro com os dedos as tuas mãos,
onde descubro o meu nome inscrito.
Bela, fina expressão que escutei hoje...

E no silencio da tua Voz, da tua Palavra,
da Semente que está a crescer,
do Semeador que já saiu a semear,
ouço os ruidos do mundo, da tv,
dos aviões a lançar os misseis,
dos gritos de vingança,
das vozes de desespero e de pessimismo...

Porque os homens continuam a confiar nos seus cavalos,
e não escutam o Sonho de Isaias:
«Tomai as vossas armas e sereis destruídas!
Repito: pegai nas vossas armas, que sereis destruídas.
Traçai planos, que serão frustrados;
ordenai ameaças, que não serão executadas,
pois temos o Emanuel: Deus-connosco.» (Is 8,9-10)

E continuo a escutar o Grito Silencioso do Deus Fiél
que continua a falar no Seio da História desta Humanidade
e a garantir: «O Reino de Deus já está entre vós» (Lc 11,9)
E vejo-o, e encontro no Rosto deste Homem,
que nasce, que acontece nesta História,
como a maior prova da fidelidade de Deus.

E acredito, com Paulo, na experiencia e na descoberta
da tua Ressurreição, no que posso ir encontrando e partilhando:
«Ele é a nossa Paz.

Ele que, dos dois povos, fez um só e destruiu o muro de separação, a inimizade:
para, criar em si próprio um só Homem Novo, fazendo a paz,
e para os reconciliar com Deus» (Ef 2,14)

É esta Humanidade, a tua, a nossa, que acredito.
Ajuda-me a construir a tua Paz, a tua Paz como Ressuscitado,
como Emanuel, como a Presença e Fidelidade de Deus.
Pela doce transformação da tua Palavra
e do teu Espírito na minha vida, no meu mundo tantas vezes fechado
por tantas leis de egoismo...

Um abraço, boa semana!

4 comentários:

Calmeiro Matias disse...

Obrigado por este belo poema e também pela grande profundidade da temática.
Calmeiro Matias

Mila disse...

Palavras tão cheias de Vida, que me fizeram parar e meditar...

Um bom Ano Novo cheio de Paz!

Calmeiro Matias disse...

Mais uma vez me deliciei com este teu poema!
Dou graças a Deus pelo teu crescimento.

figlo disse...

Poeta, que lindo o teu poema!
A Paz, a que acontece no mais íntimo de nós e extravasa, não traz consigo " vencedores nem vencidos"...é esta Paz que somos chamados a ajudar a construir...
Obrigada, Rui Pedro! Quando olho para ti e te vejo caminhar sorrateiro, fico com a certeza de que és um homem de Paz...
Um ano 2009 cheio, muito cheio!
Glória e Carlos