segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Um Favor, uma Opção de Graça, uma Promessa... um Reino

Enquanto Lucas nos apresenta Jesus a dizer «Hoje cumpriu-se esta passagem da Escritura que acabais de ouvir» (Lc 4,21), Mateus apresenta o que significa isto: «Depois, começou a percorrer toda a Galileia, ensinando nas sinagogas, proclamando o Evangelho do Reino e curando entre o povo todas as doenças e enfermidades» (Mt 4,23).

De novo Lucas dá-nos uma referencia quanto à vida de Jesus: «Ao iniciar o seu ministério, Jesus tinha cerca de trinta anos» (Lc 3,23). Os 4 evangelistas apresentam o Baptismo de Jesus por João Baptista: de João, Jesus terá acolhido e escutado o anúncio da Proximidade da Presença de Deus e da sua actuação decisiva na história. Estava próxima uma intervenção de Deus: segundo João, seria de Juizo universal. Para Jesus, será de Salvação.

Vale a pena escutar de novo o profeta Isaias: «Que formosos são sobre os montes os pés do mensageiro que anuncia a paz,que apregoa a boa-nova,e que proclama a salvação! Que diz a Sião: «O rei é o teu Deus!» Ouve: as tuas sentinelas gritam, cantam em coro,porque vêem olhos nos olhoso regresso do Senhor a Sião. Ruínas de Jerusalém, irrompei em cânticos de alegria,porque o Senhor consola o seu povo,com a libertação de Jerusalém» (Is 52,7-9).

E Jesus descobrirá, escutará esta Boa-Noticia: esta Missão da Boa-Nova de Consolação: sim, é verdade. É verdade. O nosso Deus, o Deus de Israel, o Deus dos nossos pais, o Deus da Promessa de Abraão e da Aliança de Moisés, está connosco. Está no meio de nós. Está próximo. E está próximo como Deus, como Rei, na sua Vontade e Soberania, na sua Misericórdia, no seu Amor.

Porque na vida e no anuncio de Jesus podemos descobri-lo bem: a presença e a proximidade de Deus só pode ser de Salvação e de Misericórdia para nós. De Deus só pode vir, só pode vir, uma Opção de Graça, uma Decisão de Salvação, uma Vontade de Amor. É este o nosso Deus. E está aí. Para nós. Próximo. «Cumpriu-se o Tempo e o Reino de Deus é próximo. Convertei-vos e acreditai na Boa Noticia» (Mc 1,15).

E essa Opção, esse Amor de Deus que se faz próximo e presente, leva-o a proclamar: «Bem-Aventurados vós, os pobres, porque o Reino de Deus é vosso» (Lc 6,20). Felizes vós, felizes nós, porque Deus está connosco e está por nós. Para construir connosco um caminho de Libertação. Porque o Futuro pertence-lhe, e Ele pertence-vos.

Mas como? Como está o nosso Deus a intervir na nossa história? Como está presente o seu Amor? Onde está essa Opção de Salvação que ele tomou a nosso favor? «Interrogado pelos fariseus sobre quando chegaria o Reino de Deus, Jesus respondeu-lhes:O Reino de Deus não vem de maneira ostensiva. Ninguém poderá afirmar: ‘Ei-lo aqui’ ou ‘Ei-lo ali’, pois o Reino de Deus está entre vós.» (Lc 17,20-21).

Deus já está a actuar entre vós, a criar convosco uma Nova Humanidade, uma frente comunitária de libertação e fraternidade, de perdão e acolhimento, onde todos são acolhidos, como num Banquete: «Sai imediatamente às praças e às ruas da cidade e traz para aqui os pobres, os estropiados, os cegos e os coxos.’ O servo voltou e disse-lhe: ‘Senhor, está feito o que determinaste, e ainda há lugar.’ E o senhor disse ao servo: ‘Sai pelos caminhos e azinhagas e obriga-os a entrar, para que a minha casa fique cheia» (Lc 14,21-23).

«O Semeador saiu a semear» (Mc 4,3); o Semeador já saiu a Semear... E podem haver pedras, pássaros, terras pouco profundas: o Semeador já saiu a semear... E os que acolhem a semente, ela dá fruto, um fruto sobreabundante, exagerado à boa maneira judaica, à bela maneira de Jesus: a 30, a 60 e a 100 por um (Mc 4,8). O Semeador já saiu a semear, a semente já está a dar fruto: «Pois Eu digo-vos: Levantai os olhos e vede os campos que estão doirados para a ceifa. Já o ceifeiro recebe o seu salário e recolhe o fruto em ordem à vida eterna» (Jo 4,35-36).

Como será este Presente de Salvação, esta Presença de Deus na nossa História, Hoje? Podia falar de amor fraterno, perdão, mudança de vida... Mas não é aí que encontro o nucleo, o nucleo mesmo do anuncio de Jesus, do tal Evangelho ou Boa-Noticia. Isso já nós sabemos, e é aí que está de facto a dinamica desta Nova Humanidade a nascer nos homens e mulheres que se juntam para escutar a Palavra e partilhar o Pão... Mas no nucleo, no nucleo mesmo do anuncio de Jesus, está uma Promessa. Uma Graça. Um Favor. Inesperados. De Deus. Para nós. Porquê?

Deus é Bom, Deus é Livre, Deus é Fiel. Não sei se foi assim. Terá sido assim com Jesus? Sei que ele acreditava. E eu começo a ver sinais, sinais a mais, de que, se calhar, até é possível. Deus é Bom, Deus é Livre, Deus é Fiel.



3 comentários:

Anawîm disse...

Deus é muito Bom
Deus é completamente Livre
Deus é absolutamente Fiel...
... e também acredito contigo que, se calhar, até é mesmo possível

Mila disse...

Oh se é!!!... :)

Calmeiro Matias disse...

Olá Rui Pedro
Nota-se que Deus é cada vez mais para ti um TU real e verdadeiro.
Obrigado por tomares a sério o Deus de Jesus Cristo.
Obrigadopelo que nos estás adar