segunda-feira, 5 de maio de 2008

Teologia Moral

Viva! Logo de início, muito obrigado a todos os amigos que viveram em comunhão comigo o último post, de desabafo. As respostas foram surgindo, um pouco através daquela frase: Não fostes vós que me escolhestes; fui Eu que vos escolhi a vós e vos destinei a ir e a dar fruto, e fruto que permaneça (Jo 15, 16). Partilharei mais entretanto, tal como alguma partilha da minha preparação para a festa do Pentecostes.

Entretanto, deixo-vos alguma coisa do encontro no qual participei desde quinta-feira até ontem, em Madrid. Foi o encontro anual de redentoristas que, como eu, vivem a fase da formação e preparação, de Itália, Espanha, França e Portugal. Daqui fomos os companheiros de caminhada de sempre, e reencontrei outros com quem vivi o último ano, muito especial, que foi o do noviciado.

O nosso encontro andou à volta do tema da Moral. A Teologia Moral, ou Ética teológica, é a área de aprofundamento da vocação do ser humano a construir-se como pessoa através do Amor e da Comunhão. A Ética é um saber humano, que ultrapassa o âmbito religioso ou cultural, no qual se procura a felicidade do ser humano no bem e na verdade através das experiencias concretas de cada geração e contexto social. A fé cristã contribui para a procura ética oferecendo um horizonte muito belo de dignidade e vocação do ser humano, como imagem de Deus e chamado a uma Vida em Plenitude na Páscoa de Jesus.

A Moral é um campo no qual os redentoristas têm uma grande tradição. Através da missão fundamental de anúncio do Evangelho de Jesus de um modo renovado, surge a vocação a uma vida mais plena e amadurecida, nos apelos do Espírito Santo e nos critérios do Reino. Tradicionalmente, a teologia moral vem relacionada com temas como o sacramento da Reconciliação, a Liberdade e a Consciência perante as leis escritas, as acções e comportamentos, sexualidade, etc; na actualidade, temos as questões da bioética, como o aborto ou a eutanásia, pastoral dos divorciados e outros grupos na Igreja, etc.

A par do anúncio do Evangelho de Jesus e da procura de lhe serem fiéis, os redentoristas são conhecidos pelo anúncio de uma Moral humanizada, cujo centro é a pessoa humana na sua dignidade e liberdade perante qualquer lei escrita. Afonso de Ligório, proclamado Doutor da Igreja pela teologia moral, inovou no século XVIII defendendo a prioridade da pessoa e a formação da sua consciência em detrimento da lei escrita.
No século XX, a Moral católica sofreu uma profunda renovação graças à acção de redentoristas como B. Haring: a moral cristã deixa de ser a mera aplicação dos mandamentos às acções e comportamentos dos indivíduos, para se tornar a procura da realização pessoal numa vida em plenitude em Cristo, chamada a construir-se no Amor e na Comunhão, segundo contextos e situações humanas bem mais complexas que qualquer lei escrita.

«Aquele, porém, que medita com atenção a lei perfeita, a lei da liberdade, e nela persevera - não como quem a ouve e logo se esquece, mas como quem a cumpre - esse encontrará a felicidade ao pô-la em prática» (Tg 1, 25) «Foi para a liberdade que Cristo nos libertou» (Gal 5, 1) “Para alcançar a liberdade na glória dos filhos de Deus” (Rom 8, 21). A vivencia cristã é um apelo constante do Espírito Santo para a liberdade; na lógica bíblica, o contrário da liberdade não é lei, mas o pecado, que escraviza do ser humano nas dinâmicas contrárias ao Amor.
Todas as leis escritas estão ao serviço da verdadeira Lei, a do Espírito, para quem o centro é a Pessoa na sua dignidade. O selo que marcou a sangue Afonso, e todos os redentoristas, foi o selo da pastoral, do anúncio do Evangelho; foi no contacto com as pessoas, nas suas experiencias, problemas e dificuldades, que Afonso, e todos os redentoristas descobrem a Compaixão de Deus que está com a pessoa, não como quem coloca metas e leis inatingíveis, mas como quem acompanha, fortalece e impele no seu amadurecimento na vivencia do Amor.
um grande abraço

2 comentários:

Mila disse...

Rui Pedro, simplesmente só me apetece dizer isto:
Muito obrigada por vocês!

Esta frase pode parecer dizer pouco,mas para mim diz muito!

Um grande abraço de todos nós.

Anónimo disse...

Grazie di cuore per la tua testimonianza di redentorista e di fratello in Cristo. Apprezziamo l'impegno profuso nell'allestire questo blog (sono parole difficilissime di Massimiliano!)

Un abbraccio e commenta il nostro blog http://pgvrvoc.blogspot.com/
vincenzo