domingo, 22 de fevereiro de 2009

Aquele que não sabe dizer Eu...

Olá! Partilho convosco hoje alguns textos que tenho encontrado sobre o Espírito Santo. Parecem-me de uma beleza significativa, por isso coloco-os aqui. Um abraço e boa semana
«O que queremos dizer quando falamos de “espírito”, quando dizemos “Deus é Espírito”? Falamos em grego ou em hebraico? Se falamos em grego, dizemos que Deus é imaterial, etc. Se falamos hebraico, dizemos que Deus é um furacão, uma tempestade, um poder irresistível…»

J. Daniélou, cardeal no Concilio Vaticano II, 1971


«Tu amas-te, pois, em ti mesmo, ó amável Senhor! Quando do Pai e do Filho procede o Espírito Santo, Amor do Pai ao Filho, Amor do Filho ao Pai, Amor tão alto que é unidade, unidade tão profunda que, do Pai e do Filho, única é a substancia.

E amas-te a ti mesmo em nós, quando o Espírito do teu Filho enviado aos nossos corações, pela doçura de Amor e o Ardor da boa vontade que tu nos inspiras, grita: “Abbá, Pai!” e fazes de maneira a que te amemos. Mais ainda, tu amas-te a ti mesmo em nós, até ao ponto de que nós esperemos em ti e adoremos o teu nome de Senhor… Aqui ousamos crer pela Graça do teu Espírito de Adopção que tudo o que há no Pai é nosso. Chamamos-te com o mesmo nome, nós os teus filhos de adopção, com o mesmo nome com que te chama o teu Filho Único por natureza.

Produz-se assim uma tal conjunção, uma tal adesão, um tal gosto da tua doçura, que nosso Senhor, o teu Filho, o chamou de unidade dizendo: “Que sejam um em nós” e adquire tal dignidade, tal glória, que acrescenta: “Como eu e tu somos Um”. Oh gozo, oh glória, oh riqueza, oh arrogância! Porque a Sabedoria tem também a sua arrogância…

Assim, nós te amamos, ou melhor, tu amas-te em nós, nós com afecto, tu com eficácia, “fazendo-nos” um em ti pela tua própria unidade, quer dizer, pelo teu próprio Espírito Santo que nos deste…

Adorável, terrível, bendito! Envia o teu Espírito e tudo será criado e renovarás a face da terra… Venha a tua pomba com o ramo de oliveira!... Santifica-nos com a tua Santidade, une-nos com a tua Unidade!»
Guillermo de Lieja, abade de Saint-Thierry em Reims, séc. XII
«A Novidade criadora não se explica pelo passado, senão pelo futuro. É evidente que a acção do Deus Vivente tem que ser sempre criadora. Mas a maravilha do Deus que se revela a Abraão, a Isaac e a Jacob reside em que o seu acto criador vem do futuro. É profético. Aquele Deus “vem” ao seu mundo, como ao seu encontro. Está diante e chama, transtorna, envia, faz crescer e liberta.

O acontecimento pascal, realizado de uma vez para sempre, como se faz nosso na actualidade? Por Aquele mesmo que é o seu artífice desde as origens e na Plenitude dos Tempos: o Espírito Santo. Ele é em pessoa a Novidade que actua no mundo. Ele é a presença de Deus connosco, junto ao nosso espírito (Rom 8,16). Sem Ele, Deus está longe, Cristo encontra-se no passado, o Evangelho é letra morta, a Igreja uma simples organização, a autoridade um despotismo, a missão uma propaganda, o culto uma evocação e o actuar cristão uma moral de escravos.

Mas, n’Ele e numa synergeia (energia) indissociável, o cosmos levanta-se e geme no parto do Reino, o homem luta contra a carne, Cristo ressuscitado está aí, o Evangelho é poder de vida, a Igreja significa comunhão trinitária, a autoridade um serviço libertador, a missão um Pentecostes, a actuação humana é divinizada.

O Espírito Santo faz nascer, fala pelos profetas, conduz para a Segunda Vinda. Ele é “o Senhor e dá a Vida”, por Ele a Igreja e o mundo gritam com todas as forças: “Vem Senhor Jesus!” (Apc 22,17-20) Esta energia do Espírito Santo introduz um dinamismo novo no nosso mundo horizontal.»

Discurso de Ignacio Hazim, Metropolita Ortodoxo de Lataquia, 1968

«Ao contrário de YHWH no Antigo Testamento e de Jesus no Novo,
o Espírito Santo nunca utilizou o pronome pessoal “Eu”»

2 comentários:

figlo disse...

Rui Pedro, que lindo este discurso do Metropolita Ortodoxo!Parece-me que na história do Povo que caminha para o Reino Futuro, construindo-O no Presente, tem havido sempre, na vida das comunidades e da Igreja, tempos de "morte aparente", em que "o Evangelho é letra morta", o culto simples ritual e a Igreja uma instituição prepotente...
Eu creio no Espírito que vai à frente e em todos tempos suscita Profetas de vistas largas que não se calam nem desistem...
Eu creio no Espírito que chama do Futuro e transforma o Presente enviando gente como João XXIII ou o fundador do Grameen Banck, mais conhecido por "Banco dos Pobres"...
Eu creio no Espírito que vos envia a vós e a nós também convoca para que "O amemos com afecto" que Ele se encarrega da eficácia...Creio que somos constantemente convidados à contemplação e à prática solidária que lhe dá sentido.Obrigada . Glória

Anawîm disse...

"... o Espírito Santo nunca utilizou o pronome pessoal «Eu»" mas é Aquele que mais Se diz Alguém. Porque não é uma coisa, uma Acção, um jeito de ser. É Alguém que vive e actua sem palavras, sem afirmações... É, está, e pronto, não precisa de mais nada.
Tanto ainda temos que aprender com Ele (ou Ela)... porque às vezes perdemos demasiado tempo à procura das nossas palavras e das palavras dos outros, sem termos a capacidade de revestir essas palavras de carne... de vida... de verdade que acontece.
Imagino que o Espírito consegue ser tudo isso, sem precisar de palavras.

Um abraço