segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

um Filho nos foi dado...

«Porque um Menino nasceu para nós,
um Filho nos foi dado...»
(Is 9,6)

A dada altura, o autor da Carta aos Hebreus vira-se e diz: «Deixando de parte os ensinamentos elementares sobre Cristo, elevemo-nos a coisas mais maduras» (Heb 6,1). Estamos ainda a um mês do Natal, e o Advento como tempo litúrgico possui em si mesmo uma dimensão celebrativa muito própria, a da Espera(nça) que não podemos perder. Em todo o caso, é pena que fiquemos tanto no «rés-do-chão» na celebração deste Natal; deixas-me partilhar contigo uma descoberta que tenho vindo a fazer, mesmo que se possa tornar de leitura difícil? É que não tenho muitas oportunidades para o fazer…

Esta frase do profeta Isaias tem-me acompanhado desde há umas semanas, a ponto de o ter partilhado com amigos próximos. Esta frase, do capitulo 9, surge como um grito de alegria e esperança do profeta diante de uma situação difícil para Israel: em pleno séc. VIII a. C., Israel está em guerra e em risco de perder a independência. Isaias dirige-se ao rei de Israel, Acaz, e aponta-lhe um sinal de grande esperança: vê, não seremos derrotados, Israel continuará livre, e o mesmo sinal disso é que te nasceu um menino, um filho; o reino continuará. Isaias referia-se ao filho de Acaz, acabado de nascer, chamado Ezequias, em quem Isaias deposita grandes esperanças a ponto de lhe chamar o Emanu-el, Deus Connosco (Is 7,14). Vale a pena ler o texto na sua totalidade:

«O povo que andava nas trevas viu uma grande luz; habitavam numa terra de sombras, mas uma luz brilhou sobre eles. Multiplicaste a alegria, aumentaste o júbilo; alegram-se diante de ti como os que se alegram no tempo da colheita, como se regozijam os que repartem os despojos.
Pois Tu quebraste o seu jugo pesado, a vara que lhe feria o ombro e o bastão do seu capataz, como na jornada de Madian. Porque a bota que pisa o solo com arrogância e a capa empapada em sangue (sinais de guerra) serão queimadas e serão pasto das chamas.
Porquanto um menino nasceu para nós, um filho nos foi dado; tem a soberania sobre os seus ombros, e o seu nome é: Conselheiro-Admirável, Deus herói, Pai-Eterno, Príncipe da paz.
Dilatará o seu domínio com uma paz sem limites, sobre o trono de David e sobre o seu reino. Ele o estabelecerá e o consolidará com o direito e com a justiça, desde agora e para sempre. Assim fará o amor ardente do Senhor do universo» (Is 9,1-6)

Vemos que os temas que predominam neste sonho de Isaias, sonho digno do Reino de Deus, é a Paz, a Alegria, o Direito e a Justiça. É o grande sonho profético, que seria instaurado por Deus através de um rei, e com o qual o Novo Testamento e certamente Jesus se identificam.

Bom mas eu permito-me cometer um daqueles principais erros na leitura da Biblia: o “tirar” uma frase do seu texto e contexto e lê-la isoladamente (que de facto costuma ser fonte de muitos erros na interpretação bíblica). Para mim, esta frase, «Porque Menino nos nasceu, um Filho nos foi dado» tem-me atirado sempre para o mistério de Jesus, e o seu mistério para mim, para nós. E é o que continuarei a partilhar nos próximos dias...
Um grande abraço!

1 comentário:

Mila disse...

E o nosso "remédio" é esperar...

Um abraço Rui Pedro